quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Jornada do Patrimônio
Barroco Memória Viva
Sábado dia 10 na Ranzini - gratuito




sexta-feira, 5 de agosto de 2016

Casa Ranzini na Jornada do Patrimônio


Casa Ranzini na Jornada do Patrimônio

sábado e domingo, 27 e 28 de agosto

Confira a programação e venha participar das palestras, lançamento de livro e exposições da Casa



Sábado 27 de agosto
Domingo 28 de agosto
10h – abertura da Casa Ranzini para visitação
10h - abertura da Casa Ranzini para visitação
11h – Exposição São Paulo Artes e Etnias, telas de Percival Tirapeli
11h às 12h30 – Caiação: pintura como Técnica de Conservação
11h30 – Arte sobre Arte – palestra sobre a trajetória artística, com o artista.


12h às 13h - Lançamento do livro Arte sobre Arte – depoimentos sobre a obra de Percival Tirapeli.
12h30 às 14h – Breve Introdução à arquitetura clássica em São Paulo.
Com Gilberto da Silva Francisco
13h às 14h - Educação e Patrimônio Cultural: perspectivas e desafios

14h às 15h – Descobertas na capela mor da Candelária em Itu: uma leitura iconográfica.
Com Percival Tirapeli
14h às 15h -  A pintura invisível de Jesuíno do Monte Carmelo.
Com Eduardo Murayama

15h às 16h -  Ecletismo paulista: o arquiteto Ranzini e sua obra em São Paulo
Com Waldir Salvadore
15h às 16h – Igrejas Barrocas e Rococó da Cidade de São Paulo. Com Mateus Rosada.
16h às 17h – Joaquim Cavalheiro: um arquiteto construtor no Brás e na Moóca.
Com Lindener Pareto Júnior
16h às 17h – A pintura religiosa de Graciliano Vicente Xavier (1856 - 1935): um resgate a ser feito.
Com Myriam Salomão
17h às 18h - Sé: o largo da metrópole

18h - Encerramento das atividades do dia

17h30 - Encerramento das atividades do dia




Exposição São Paulo Artes e Etnias, telas de Percival Tirapeli

A exposição São Paulo Artes e Etnias de Percival Tirapeli é composta por dez pinturas com tinta acrílica, e mais um painel com colagem medindo 6 x 0,80 m. As telas figurativas e abstratas tem os referenciais de seu livro homônimo publicado em 2008, pelas editoras Unesp e Imprensa Oficial. Nestas obras recentes o artista trabalha com as fotografias da publicação e outras realizadas especialmente, criando um diálogo entres as obras de arte do espaço público e as fachadas paulistanas de edifícios e transeuntes.

Suas composições são verticais, articulando sempre dois motivos pictóricos. Como no livro, os capítulos são sobre as diversas etnias que compõem a multiculturalidade da grande metrópole, que durante dois séculos abriga os imigrantes oriundos de todas as partes do mundo. Assim sempre há um motivo figurativo a representar estas diversas culturas e outro motivo abstrato da arte concreta paulista. Desta forma, todas as obras são compostas por esta dualidade – figuração x abstração – que se encontra na espacialidade, provocando discursos ora sobre os estilos artísticos, ora sobre a materialidade da obra representada.

Em Danae do Arouche, a escultura de Banhista reclinada, obra de Victor Brecheret no Largo do Arouche, convive com a recente expografia da obra de Piet Mondrian, no Centro Cultural Banco do Brasil. A materialidade do bronze patinado é evidenciada na pintura em primeiro plano; a abstração flutua em formas geométricas no espaço compositivo. Em Tragédia na praça ensolarada, a escultura do italiano Luigi Brizzolara, que representa a ópera Condor do campineiro Carlos Gomes, é dramatizada entre as formas vermelhas da escultura abstrata do austríaco Franz Weissmann, Grande flor tropical.

Os diálogos entre as obras de arte concebidas por artistas que encontraram em São Paulo o lugar para expressarem sua arte, conjugam-se nas telas de Percival Tirapeli, de maneira a provocar o convívio tanto das formas como dos pensamentos dos artistas nelas expressas. Nesta Babel às avessas, na qual todos se entendem apesar dos diferentes idiomas, o artista ousa provocar os encontros inusitados -- como tem que ser em toda a obra artística.


 Percival Tirapeli em seu ateliê

Tragédia na praça ensolarada (esq) e Danae do Arouche (dir.),1,50 x 1m, 2016 

sábado, 1 de novembro de 2014

Ciclo de debates "Aleijadinho 200 anos: a construção da imagem"


Jornada

200 anos de Antônio Francisco Lisboa, 

o ALEIJADINHO


EVENTO TRANSFERIDO

NOVA DATA: 15 DEZEMBRO, SEGUNDA-FEIRA,  8H  ÀS 17H
NOVO LOCAl: INSTITUTO DE ARTES DA UNESP/ Barra Funda

Co-Promoção Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da UNESP/ Programa Barroco Memória Viva da UNESP, em parceria com a Casa Ranzini. Com a participação de acadêmicos, colecionadores e antiquários.







Jornada ‘200 ANOS DE ANTONIO FRANCISCO LISBOA, O ALEIJADINHO
15 de dezembro de 2014
Instituto de Artes da Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho”

O Grupo de Pesquisa “Barroco Memória Viva: da arte colonial a arte
contemporânea”, IA-UNESP/CNPq, coordenado pelo Prof. Dr. Percival Tirapeli
e Prof. Dr. José Spaniol, vinculado ao Programa de Pós-Graduação em Artes do
Instituto de Artes da UNESP, promove a Jornada: “200 anos de Antônio
Francisco Lisboa, o Aleijadinho”, com a participação de seus membros
pesquisadores, composto por doutores, mestres, doutorandos e mestrandos, além
de convidados, com o objetivo de promover uma revisão de temas pertinentes à
obra do grande mestre mineiro.

A partir de uma explanação sobre a bibliografia de Antônio Francisco
Lisboa, mais conhecido como Aleijadinho, seguem os temas a respeito de suas
obras em arquitetura, escultura e retábulos das principais igrejas terceiras
franciscanas e carmelitas de Ouro Preto, São João Del Rey e Sabará.

Destas últimas, serão destacadas as obras ornamentais das portadas e as
diretrizes franciscanas em suas iconografias. De sua grande obra considerada
patrimônio da humanidade será revisitado o santuário de Congonhas com as
capelas dos Passos e os Profetas no adro da igreja considerada sua obra prima e
cantada pelos poetas, escritores em especial os modernistas paulistas.
Destaca-se ainda a exposição com livros sobre sua obra e o lançamento na
Biblioteca do Instituto de Artes Digital – BI@, localizada no Acervo Digital da
UNESP (NEaD), com o acervo fotográfico do Grupo de Pesquisa “Barroco
Memória Viva”.

PROGRAMAÇÃO

8h RECEPÇÃO E CREDENCIAMENTO
8h15: ABERTURA - Prof. Dr. Mario Bolognesi, diretor do IA-UNESP/Profa. Dra. Rosangela Leotte, coordenadora do PPG Artes do IA-UNESP/ Prof.Dr.Percival Tirapeli, coordenador do evento

CONFERÊNCIA DE ABERTURA
8h30 às 9h15 - Prof. Dr. Percival Tirapeli
Aleijadinho, a construção da imagem: uma revisão bibliográfica

PALESTRAS

9h15 às 9h40 Sebastiana Freschi, Lauro Galvão de Oliveira, Letícia Mayumi Ozono e Gabrielle
Navarro.Antonio Francisco Lisboa, escultor e arquiteto - BIA Digital Nead
9h40 às 10h05. Rosângela Aparecida da Conceição. Análise da forma indumentária da escultura do Profeta Daniel de Congonhas do Campo, MG

10h05 às 10h25 COFFEE BREAK

10h25 às 10h50 Maria José Spiteri Tavolaro Passos. Imagens retabulares na obra de Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho
10h50 às 11h15 Mozart Alberto Bonazzi da Costa. A influência ornamental francesa e flamenga nas estruturas retabulares de Antônio Francisco Lisboa em São João Del Rei, MG
11h15 às 11h40 Myriam Salomão. O restauro das pinturas parietais das capelas dos Passos de Congonhas do Campo

12h às 13h30 PAUSA PARA ALMOÇO

13h30 às 13h55 Maria Elisa Linardi Cezaretti. Referenciais Iconográficos de Aleijadinho: a gravura holandesa renascentista
13h55 às 14h20 Cesare Pergola. Iconografia dos profetas na Capela Sistina
14h20 às 14h45 Cristiana Cavaterra. Imagens dos Passos de Congonhas do Campo e as intervenções de restauros
14h45 às 15h10  Eduardo Tsumoto Murayama. A parceria artística entre Aleijadinho e o pintor Manuel da Costa Ataíde.

15h10 às 15h20 COFFEE BREAK

15h20 às 15h45 Maria Lucia Bighetti Fioravanti. O Fraciscanismo na Obra de Aleijadinho
15h45 às 16h10 Vanessa Raquel Lambert. Mário de Andrade e Antonio Francisco Lisboa, o Aleijadinho
16h10 às 16h30 Danielle Manoel dos Santos Pereira. Os “descaminhos” das atribuições de Obras de Arte



Exposição de livros do Acervo Biblioteca IA-UNESP sobre ANTONIO FRANCISCO LISBOA, O ALEIJADINHO - Biblioteca IA-UNESP, 4º andar, IA-UNESP.







segunda-feira, 15 de setembro de 2014

CURSO BARROCO PAULISTA
Sábado 20 de setembro de 2014, das 8h30 às 13h30

Cursos Olhar a Arte – Casa Ranzini

O minicurso Barroco Paulista ministrado por diversos professores especialistas abordará “in loco” as igrejas do centro histórico da cidade, em seus diversos aspectos: ornamentação, pintura, escultura e arquitetura. O curso se compõe de visitas de estudos, sábado, dia 20 de setembro, com palestras em cada patrimônio visitado.
A caminhada comentada pelo centro histórico no sábado e o diálogo dos especialistas com os interessados em arte e na cidade São Paulo, pretende contribuir para estabelecer novos significados e relações com o espaço urbano e seu patrimônio artístico, histórico e arquitetônico.


Detalhe do forro da Igreja da Ordem Terceira do Carmo, São Paulo, 2013.


Rafael Schunk e grupo de participantes na Basílica Abacial de Nossa Senhora da Assunção, Mosteiro de São Bento de São Paulo. 2013.


Programação
Dia 20 de setembro, sábado, às 8h30, encontro na Casa Ranzini com welcome coffee e preparação para sairmos em direção ao centro histórico. Temas e locais a serem visitados:
  • 9h30 - Igreja da Irmandade de Nossa Senhora da Boa Morte, Rua do Carmo:
Pintura colonial e abordagens: soluções do restauro. – Myriam Salomão

  • 10h - Igreja da Venerável Ordem Terceira de Nossa Senhora do Carmo, Rua do Carmo:
A pintura do Pe. Jesuíno do Monte Carmelo – Percival Tirapeli
A talha na colônia - Mozart Bonazzi

  • 11h - Basílica e Mosteiro de São Bento,  Largo de São Bento: Escultura e imagens coloniais em barro – Rafael Schunk.
  • 12h - Conjunto das Igrejas Franciscanas e Largo de São Francisco:
Transformações do espaço e da arquitetura – Percival Tirapeli
  • 12h30 - Igreja da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, Largo de São Francisco:
Talha retabular - Mozart Bonazzi
Imaginária em madeira – Maria José Spiteri
Têxteis litúrgicos em coleções eclesiásticas - Rosângela Ap. da Conceição.

Percival Tirapeli: Professor doutor titular em Arte Brasileira no Instituto de Artes da UNESP, mestre e doutor pela ECA/USP, autor de 18 livros sobre o tema, tais como: Igrejas Barrocas do Brasil e Festas de Fé (port/inglês, Ed. Metalivros), Coleção Arte Brasileira (Ed. Nacional, 5 volumes). Site: www.tirapeli.pro.br.

Myriam Salomão: Doutoranda em Teoria e História da Arte pela FAU/USP e Mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP, instituição na qual também cursou licenciatura em Artes Plásticas e Música. É pesquisadora de História da Arte Brasileira, principalmente da pintura do período colonial.

Maria José Spiteri: Doutoranda em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP - São Paulo, onde também cursou o Mestrado em Artes, a licenciatura em Educação Artística e o bacharelado em Artes Plásticas. Atua como pesquisadora em História da Arte, História da Arte Brasileira e imaginária religiosa.

Rafael Schunk: Mestre em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP e graduado em Arquitetura e Urbanismo pelo Centro Universitário FMU. É artista plástico, curador e organizador de exposições artísticas. Atua como pesquisador da arte sacra do período colonial brasileiro, principalmente a imaginária em barro.

Mozart Bonazzi: Doutor em Arquitetura e Urbanismo pela FAU/USP, é Mestre em Artes pelo Instituto de Artes da UNESP e graduado em Educação Artística e Artes Plásticas pela FAAP. É pesquisador de processos escultóricos tradicionais e contemporâneos, e se dedica ao estudo e divulgação da talha ornamental barroca e rococó no Brasil.

Rosângela Ap: Mestre em Artes, Bacharel e Licenciada em Artes Visuais pelo Instituto de Artes da UNESP. É artista, membro da ANPAP – Comitê Poéticas Artísticas – e pesquisadora nas linhas: 'Poética visual do Barroco', 'Processos criativos tradicionais e contemporâneos' e 'Teoria, Crítica e História da Arte no Brasil', com ênfase na indumentária e têxteis litúrgicos em coleções eclesiásticas.

Mais informações
casaranzini@gmail.com 

Laura Carneiro, MTb 19.050
laura.carneiro@gmail.com
(11) 97690-5247

domingo, 25 de maio de 2014

Missa Domingo, dia 1 de junho, 9h reabre a Venerável Ordem Terceira de São Francisco
 Dia 23 de maio, pré-abertura da igreja com o Prof. Percival Tirapeli, Secretário da Cultura, Marcelo Araújo e Governador Geraldo Alckmin.


Os Cursos Olhar a Arte, da Casa Ranzini, e o movimento Barroco Memória Viva, do Instituto de Artes da UNESP convidam para a missa solene de reabertura da igreja mais barroca de São Paulo, a da Venerável Ordem Terceira de São Francisco, no Largo de São Francisco. Durante cinco anos, o Prof. Tirapeli acompanhou a evolução das decisões sobre o precioso restauro, resultando em um trabalho de equipe coeso em torno do belo resultado obtido: Secretaria da Cultura/UPPH, Formarte, Concrejato Obras Especiais e Instituto de Cultura Democrática.


A igreja foi tombada como patrimônio histórico de São Paulo em 1982 e é considerada uma das mais importantes obras do século XVIII. A construção original foi feita em estilo barroco-rococó, com o projeto arquitetônico assinado por Frei Galvão. Trata-se de uma igreja do século XVIII, projetada e construída pelo Frei Galvão, outro franciscano que também é santo. 
Foram investidos pelo governo do Estado via Secretaria da Cultura R$ 12,5 milhões para a restauração do templo que estava fechado desde 2007. Na primeira fase de restauro foram feitas intervenções no telhado, substituição da estrutura de madeira da cobertura e dos pisos no pavimento superior por uma de aço, além de novas coberturas de vidro e a instalações de galeria superior e no térreo.

Em razão dessa missa, que congrega, além dos devotos, todos os aficionados pela arte e arquitetura barroca, o curso Olhar a Arte Barroco Paulistano fica adiado para julho, após o final da Copa do Mundo 2014.

Fique de olho no Blog, e se preferir já faça sua pré-inscrição para o curso de sábado 26 de julho, das 9h às 13h na Casa Ranzini, que inclui palestra e visita técnica em história da arte e da arquitetura por quatro igrejas do centro paulistano. Tudo com o Prof.Percival Tirapeli, Myriam Salomão, Maria Lucia Fioravanti, Eduardo Murayama, Rafael Schunck, Danielle Pereira, Maria José Spiteri, Mozart Bonazzi, Rosangela Conceição, mestres e doutores em artes visuais, pesquisadores de nossa história e arte.

Abaixo, fachada totalmente restaurada, altar mor com o Cristo Seráfico, pintura de forro do altar mor, e altar lateral de Nossa Senhora da Conceição. 


A igreja foi tombada como patrimônio histórico de São Paulo em 1982 e é considerada uma das mais importantes obras do século XVIII.

Com o objetivo de preservar a história de São Paulo, a Secretaria da Cultura, em parceria com a Mitra Arquidiocesana de São Paulo, restaurou a Igreja das Chagas do Seráfico Pai São Francisco
A Secretaria da Cultura também implantará sistema de segurança, acessibilidade e adaptação de banheiros, instalação de elevador e sonorização.
Também foram inseridos elementos novos e contemporâneos, como as escadas metálicas, bancos externos e a citada cobertura de vidro do recuo lateral.

sexta-feira, 23 de maio de 2014

JUNHO

Exposição Pinturas
de Suely Cauduro

Sábados e domingos dias 21e 22 e 27 e 28 de junho
 Exibindo Convite-vovó_5_a.png

Curadoria: Percival Tirapeli
LocalCasa Ranzini  Rua Santa Luzia 31 - Liberdade.
Abertura: sábado, 21 de junho às 10h
Período de exposição: Sábados e domingos dias 21e 22 e 27 e 28 de junho, sábados das 10 às 17h e domingos das 11h às 14h.
Número de obras expostas: 17 telas em acrílica  de diferentes tamanhos
Curadoria: Percival Tirapeli


Nessa pesquisa "Pinturas"apresentada na Casa Ranzini Suely expõe três séries de trabalhos, nos quais domina tanto a composição com traços, pinceladas soltas sobre tinta firme e por vezes espaços lisos. Na maioria trabalha elaboradas camadas de tinta acrílica na busca de imagens que lhe são familiares.
Nas pinturas onde a composição é elaborada com planos de cores vivas e chapadas, as figuras surgem de pinceladas alla prima. Uma espécie de redução e ampliação do espaço flutua nestas composições mais livres, de pinceladas soltas e soluções mais racionais, como ocorre na figura do pescador.
No segundo núcleo - o de composições com cores planas que são pura emoção colorística, as partes vibram segundo a intensidade de reflexo da cor ou absorção da mesma nas partes mais escuras. Seu autorretrato incorpora ambas as soluções: tonalidades mais baixas e frias concentram-se em aguadas de sucessivas camadas e essa busca é intensificada na elaboração do rosto.
Todas as obras no entanto, criam uma familiaridade temática na busca de elo entre as gerações, do outro ser-e da intimidade absoluta, expressa no auto retrato que significa a própria vida.
Percival Tirapeli, titular em História da Arte no Instituto de Artes da Unesp e crítico de arte pela Associação brasileira de Críticos de Artes - ABCA


Contato com a artista:  Suely Cauduro, scauduro@terra.com.brwww.suelycauduro.com

Mais informações para a imprensa:
Arte Integrada Comunicação/ Laura Carneiro, MTb 19.050 -
laura.carneiro@gmail.com; artintegrada@gmail.com/ fone:  (11)976905247







Tesouro barroco paulista é restaurado e reaberto 

 Igreja da Ordem Terceira de São Francisco,  projeto do arquiteto Santo Frei Antonio Galvão, do século 18, é reaberta após 7 anos

Orientação artística e estilística do Professor Percival Tirapeli, coordenador geral de História da Arte da Casa Ranzini e idealizador dos cursos Olhar a Arte.


O governador Geraldo Alckimin, o secretário estadual da Cultura Marcelo Mattos de Araújo, o diretor de Obras Especiais da Concrejato, Ronaldo Ritti, empresa que realizou a obra, por captação de recursos adicionais do Instituto de Cultura Democrática (ICD). Projeto e acompanhamento de tudo a cargo da Formarte, dirigida por Rosana Delellis.



Muitos dos professores dos nossos cursos na Ranzini vêm participando de pesquisas na Igreja da Ordem Terceira de São Francisco, a VOT: Myriam Salomão, Mozart Bonazzi, Maria José Spiteri Tavolaro Passos,

Maria Lucia Fioravanti, Eduardo Murayama, Rosangela Ap. da Conceição, Gabriel Frade, Danielle dos Santos Pereira. As pesquisas tem sido feitas tanto em documentos da Ordem Terceira, quanto pinturas, esculturas, paramentos, enfim todo o acervo artístico móvel.


A construção original foi feita em estilo barroco-rococó e o projeto arquitetônico assinado por Frei Galvão.
Professor Tirapeli, secretário da Cultura Marcelo Araujo, Cida Soukeff ( engenheira da Concrejato) e governador Alckimin admiram a bela Nossa Senhora da Conceição do acervo da VOT.
Foram investidos R$ 12,5 milhões para a restauração do templo que estava fechado desde 2007.